Adoção e Afastamento dos Pais. O que gera na Criança?

Adoção e Afastamento dos Pais. O que gera na Criança?

“A razão e a felicidade nem sempre andam juntas!”

Adoção

Hoje atendi quatro casos de filhos que não viram seus pais desde pequenos. Compreendi que talvez o Universo esteja me pedindo pra falar sobre este assunto!

Primeiramente tentarei explicar o que ocorre com as crianças internamente quando são retiradas dos pais…

“A enfermidade acontece quando somos desviados do amor do espírito e saúde quando conectamo-nos com ele novamente”.

AdoçãoPara a criança separada da mãe ou pai, esta dor se torna tão profunda que o filho, inicialmente sente tristeza, depois, esta tristeza é tão grande que pra não sucumbir, ele a transforma muitas vezes em raiva, dos pais e de quem as retirou deles. Bert Hellinger (criador da Constelação Familiar) chama este afastamento de “movimento interrompido”. Não importa os motivos que os afastaram – enfermidade, morte, adoção… Independente do porque, ela tentará fechar seu coração, sua capacidade de amar e entregar-se emocionalmente de novo. Só que a dor ficou fechada do lado de dentro do peito. Pode tornar-se insegura, ciumenta, possessiva e, muitas vezes, com tendências assassinas.

A pessoa que passou por esta desconexão com a mãe sentirá uma dor do lado esquerdo, um pouco acima do mamilo. Quando a falta é do pai, a dor se apresentará no meio do peito. Cada parte do nosso corpo tem referência com aspectos de nossa vida. A leitura dele nos mostra em que aspecto precisamos deixar o amor fluir novamente…

Esta criança quando adotada, sentirá dificuldade de buscar, ou falar sobre seus pais. Digo “pais” porque, quem os adota são assim chamados, mas, não o são na verdade. A dificuldade se dará pela dor transformada em raiva (dos pais) e por fidelidade aos “pais” adotivos.

Esta criança na maioria das vezes sentirá raiva e culpa em relação aos adotivos. Por quê? Raiva, pois eles o subtraíram dos pais e culpa porque na alma, ela sabe que deveria ser grata por ter sido cuidada por eles.

As crianças adotadas têm seus pais, como todas as outras e, estará ligada ao destino de suas verdadeirasAdoção

famílias, mesmo que nunca os tenha visto. Pois que, a presença dos pais estará na criança, em suas células, em seu corpo, para sempre! Movendo e determinando muitas atitudes que terão no futuro!

É possível a criança “ver claramente” a imagem dos verdadeiros pais, sem nunca tê-los visto antes, pois, os pais estão nelas. Precisa apenas voltar-se para dentro que saberá tudo sobre eles, pois, estão presentes dentro dela.

Fabrícia (fictício) nunca tinha visto o rosto do pai. Ao nascer, seu pai esteve no hospital e, por ela ser muito diferente dele fisicamente, considerou que não era sua filha. Anos mais tarde, está com sua avó em um lugar público e esta lhe diz: – Aquele lá é seu pai. Fabrícia disse-me que se agarrou na saia da avó e pode ver apenas as calças de seu pai, não quis olhar em seu rosto. Com uma técnica de respiração apropriada para esta re-conexão ela pode vê-lo claramente. Chorou muito de alegria, pois, não tinha fotos dele e ele já faleceu. Fabrícia disse: – Eu o vejo em mim e me vejo nele. É como se ele emergisse do meu ser… Agora sei como ele É! Neste momento Fabrícia sentiu uma gratidão profunda pelo pai. E sabiamente afirmou: – Pra mim pouco importa se vivi com ele ou não, ele é meu pai. Estou viva graças a ele. Agora e para sempre sei que ele está em mim… Para mim, isto basta!

AdoçãoFabrícia foi criada pela mãe, apenas seu pai lhe faltou. Somente duas sessões foram suficientes, mas, nem sempre é assim. Geralmente, precisa mais tempo para sair da posição de vitima e decidir outra forma de “ver” sua história… “A razão e a felicidade nem sempre andam juntas!” Às vezes, é preciso trabalhar com “Constelação Familiar”, processo que permite utilizarmos pessoas que estão no encontro para representar pessoas dos sistemas familiares envolvidos.

Quantas vezes, a mãe por raiva do pai deixa de “apresentar” o filho a ele, dando-lhe “outro pai”, ou mesmo impedindo o filho e buscá-lo. Isto ocorre com freqüência. Outras vezes, as mães crêem que ser criada por outra família, fará o destino desta criança, melhor. Caberá ao terapeuta/ajudante fazer com que “a criança”, mesmo na idade adulta, reconheça que todos fizeram o melhor que podiam fazer. Mostrar que, o problema entre os pais não tem a ver com elas ou, que foi por amor que a mãe optou por entregá-la a outros braços.

Estas crianças estarão ligadas ao destino dos pais adotivos, e estes, a família da criança, para sempre.

A agressão dos jovens contra os pais adotivos nem sempre é porque seus pais verdadeiros são agressivos, mas, ocorre que na maioria das vezes, quem os adota, considera internamente melhor que seus pais biológicos. Isto moverá uma raiva na criança, pois, inconscientemente ela é fiel aos pais  biológicos e os quer defender. Vale lembrar ainda que, se desconsideramos os pais delas, estaremos desconsiderando-as diretamente, pois, o óvulo e espermatozóide que formou o corpo entrarão em ressonância com este julgamento e ela, a criança, sentirá ofendida e rejeitada, “mais uma vez”. Isto pode desenvolver obesidade e/ou fracasso na profissão e relacionamentos.Adoção
Relembro mais uma vez que existem dois grandes bancos de dados de memórias que nos move – um é formado por nossas experiências pessoais, desta e de outras existências planetárias – o outro se forma a partir das memórias das duas primeiras células que o formou. O óvulo e o espermatozóide são como disquetes, trazem toda a estória dos pais. Esta “estória celular” terá muito mais força para mover as ações de alguém do que os exemplos dados pela família adotiva. Sabendo identificar de onde vem nossa desconexão com “este amor espiritual”, (pois que toda doença vem desta desconexão), poderemos ajudar a pessoa a unir-se ao movimento do amor do espírito de novo!

Deixo aqui ainda uma frase:
"Tudo é possível aquele que se entrega ao destino! Esta força, o destino, te levará aos mais lindos lugares inimagináveis! Somente os fortes optam por passar por grandes experiências! E saírem vencedores! Nossos pais nos ensinam da forma que sabem, com atitudes alegres ou estranhas, cabe-nos a sabedoria de aprender com elas!"

Adoção________________________________________

Autor:
Marta Franco
Empresária, terapeuta e coach. Atua no Brasil e Exterior. Fundadora do Renascer Saúde.

Facebook: Marta Franco
www.renascersaude.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *